segunda-feira, 17 de maio de 2010

VEJA ERROU: Construtivismo é outra coisa...

Pego a VEJA no. 2164, de 12/5/2010 e no setor Educação deparo-me com o artigo “Salto no Escuro” onde ao ler, noto que realmente seu autor está no escuro, pois não fez uma pesquisa e não conhece a matéria sobre o que se aventura a escrever. E triste ver alguém dando opiniões tão equivocadas em uma revista de grande circulação, para não dizer opiniões erradas. Estou surpresa de alguém dizer que 60% das escolas brasileiras se intitulam construtivistas, quando realmente não se trata de um método de ensino já que nem Piaget nem Vygotsky eram educadores e nem propuseram metodologias. Na verdade, um brasileiro, Professor Lauro de Oliveira Lima, propôs há mais de 50 anos uma metodologia baseada em suas teorias, que chamou de “MÉTODO PSICOGENETICO”, expondo em mais de 30 livros sua metodologia e aplicando-o em escolas como o Ginásio Agapito dos Santos (CE) e Escola A Chave do Tamanho (RJ). Todas as explicações dadas pelo Sr. Marcelo, autor do artigo, são totalmente equivocadas já que ele não conhece realmente as teorias de Jean Piaget e nem a metodologia desenvolvida pelo Professor Oliveira Lima. Muitos educadores sabem como as teorias de Piaget funcionam já que o grupo do Professor Oliveira Lima estuda e aplica estas teorias a mais de 40 anos só no Rio de Janeiro e mais de 50 no Ceará . E inconcebível que alguém seja tão irresponsável de fazer uma matéria sem uma pesquisa rigorosa mesmo que pela internet para verificar o que existe sobre o assunto.

Como pode um educador trabalhar sem metas ou planejamento?

Sugerimos ao autor que leia algumas obras de Piaget que podem orientá-lo para escrever sobre o construtivismo, que é uma parte da teoria desse epistemólogo interacionista. Leia “A construção do número na criança”, “O nascimento da inteligência na criança”,”A formação do símbolo na criança” só para citar algumas obras fundamentais deste monstro intelectual que revolucionou o conhecimento. Piaget dá aos educadores mecanismos para trabalhar com a criança de acordo com seu nível mental. Para isso, produziu mais de 180 testes, para que os professores possam saber o que seu aluno pode compreender e apreender. Os professores devem estudar os esquemas de assimilação de seus educandos para saber como vai se dar a aprendizagem. Será que este senhor já ouviu falar na teoria da equilibrarão,assimilação e acomodação? Provavelmente não, porque sua abordagem superficial do tema não dá qualquer indicativo disso.

Entender a abordagem piagetiana é tarefa árdua, tanto que quando Piaget participou de uma conferencia com Einstein, este lhe disse: “seus estudos soam muito mais complicados que os meus”.

Realmente é um obscurantismo alguém falar do que não conhece, dizendo bobagens a titulo de reportagem. Talvez o que esteja chamando de “conteúdos” sejam as coisas que os alunos decoram e depois esquecem. Porque não analisa todo o sistema tradicional, que não vem formando há décadas cientistas no Brasil? Qual a grande produção científica brasileira? Quantas patentes estamos registrando por ano?

É importante ressaltar que, quando na corrida espacial a antiga URSS saiu na frente dos EUA, os americanos convocaram a equipe de Piaget para criar o programa de ciências para o desenvolvimento. No MIT (Massachussets Institute of Technology) Seymour Pappert ,discípulo de Piaget, coordena todo o desenvolvimento dos programas de inteligência Artificial.

Devemos salientar que Vygotsky não foi “seguidor de Piaget”, até porque não chegou a conhecê-lo. Estava desenvolvendo uma pesquisa paralela na linha da linguagem, bem depois observada por Piaget, já que Vygotsky morreu muito jovem. Piaget concluiu que eles chegariam a conclusões bem parecidas se ele tivesse continuado suas pesquisas.

Quanto ao desempenho nas avaliações internacionais o Brasil, com seu ensino tradicional, está a frente apenas do Haiti. Porque será? Deveríamos fazer uma pesquisa e ver se não seria necessário mudar a metodologia. Não estou em absoluto defendendo o construtivismo, até porque não existe este método, mas defendendo o método psicogenético, porque este existe e é totalmente baseado em Piaget, testado em escolas que esta formando lideranças intelectuais no Brasil e já apresentado desde 1980 em congressos internacionais (três no Brasil e outros na Europa promovidos pelo Centro Experimental e Educacional Jean Piaget no Rio de Janeiro e Instituto Piaget de Lisboa/Portugal).

O quadro comparativo elaborado pelo autor é distorcido e ele, na condição de jornalista, deveria dizer onde encontrou estes exemplos e citar as escolas para que as informações pudessem ser verificadas.

Espero sinceramente que esse assunto tão importante não se esgote apenas com a matéria de um jornalista de VEJA, e que outros conhecedores do assunto se manifestem para o bem da Educação do Brasil.

Beta

6 comentários:

Anônimo disse...

Realmente lamentável a forma leviana e irresponsável como o assunto foi tratado pela Veja.

Andrea Garcez disse...

Concordo plenamente! Matéria tendenciosa e superficial, com erros e reducionismo. É certo que muitas escolas que se dizem "construtivistas" pouco conhecem da teoria piagetiana e do método desenvolvido pelo professor Lauro de Oliveira Lima, mas daí a defender um ensino tradicional é um grande retrocesso.

Vânia disse...

Concordo plenamente com as suas observações. Nós, educadores conscientes do significado das teorias de Piaget e Vygostki para a educação, e dos avanços que trouxeram, por exemplo, ao respeitar a forma de conhecer da criança (desrespeitada no ensino tradicional existente em nossas escolas), não podemos nos calar diante da mídia. Sugiro que escreva à Veja, com o mesmo teor de seu blog.

Anônimo disse...

Concordo lcom você na questão do despreparo do editor da mensagem, mas concordo com no fato de que alguns educadores pregam uma metodologia da qual estes não tem preparo algum, simplesmente fazem belos comentários quando a sua pratica não condiz com o que é dito por eles. Realamente é terrivel a condição da educação do nosso país, acho que a causa esta em uma base que não produz frutos e comprovação disso está no péssimo
rendimento do aluno desde o infantil nas areas de leitura, escrita e calculo. A veja foi bem objetiva na questão de que devemos repensar a nossa metodologia, pois a realidade hoje é cruel e vergonhosa.

Anônimo disse...

Discordo de você, pelo fato de que você apenas defende a teoria desconsiderando a atual realidade do nosso pais. É vergonhoso um adolescento do ensino médio não saber ler,escrever e nem calcular. Acho que vocês devem parar de procurar justificativas para a atual situação e procurar apresentar uma solução. Uma sugestão: leia o artigo Construtivismo e alfabetização: um casamento que não deu certo. Acesse o link:http://www.alfaebeto.org.br/documentos/construtivismo_alfabetizacao.pdf

John Felix - Pedagogo disse...

Realmente Vigotski não foi seguidor de Piaget mas a pesar de não conhece-lo pessoalmente, vigotski teve contato da obra de piaget e esse muito tempo depois.
Piaget concluiu que chegariam a conclusões bem parecidas ?...discordo,pois cada teorico partiu de ponto diferentes, enquanto vig. via o homem como socio-historico, piaget como um ser biologico.