quinta-feira, 12 de agosto de 2010

JOGO E VIOLÊNCIA

Muitos pais perguntam se os filhos podem brincar com jogos violentos nos computadores. De onde vem esta dúvida? A preocupação destes pais é saber se estas crianças e adolescentes vão se tornar adultos violentos, por este fato? É muito difícil e complicado explicar já que o senso comum aponta para um “sim” com muita naturalidade. Do ponto de vista do pensamento de Piaget, devemos mostrar que não é uma afirmação correta, pois um comportamento não decorre de uma atividade perceptiva como no caso dos games utilizados pelos adolescentes. A matriz formadora de adultos violentos geralmente é a violência doméstica que se estabelece contra as crianças ou mesmo contra seus entes queridos (assistir a brigas de seus pais e ser arrolado dentro da confusão familiar). O que produz comportamentos são as atividades procedurais. Atividade procedural é o fazer e tomar consciência da ação.

Quanto mais as crianças adolescentes brincarem com estes jogos, notarão na fase adulta que se trata de jogos infantis e que não devem ser jogados na sua nova fase de desenvolvimento.

As crianças e adolescentes violentos ou que promovem, por exemplo, o bullyng com seus colegas de escola ou companheiros de condomínio, tem outros fatores de interferência no seu comportamento. Bater nas crianças como forma de correção do comportamento, isto sim pode disparar um comportamento violento por total frustração, já que a criança não tem, naquele momento, maneira de defender-se. Achando as crianças que seus pais tem este direito de castigá-los até corporalmente, fica configurado na personalidade da criança esta ação. Devemos destacar também

a) a violência psicológica, que não vemos, mas sentimos, é muito grave já que só é percebida quando já está totalmente instalada. As crianças sofrem muito sem que seja notado. É só observarmos eles roendo as unhas, se machucando, chorando por tudo, se isolando nos cantos, brigando com todos.

b) Quando as crianças de hoje brincam com joginhos violentos, repetem o modelo de antigamente, quando as crianças brincavam com espadas, revólver e armas em geral. Estes brinquedos não levaram as crianças a serem adultos violentos.

c) A violência normalmente aparece em crianças que tiveram seu desenvolvimento comprometido, principalmente na área da moral. A moral se desenvolve, daí não podermos lidar com a sociedade como se todos os indivíduos, mesmo já adultos, tivessem a mesma idade mental. Cada um, em diferentes níveis, vai ver o jogo de uma forma diferente. A moral é que vai determinar como cada sujeito vai entender as regras.

d) Os jogos do computador representam um problema quando são jogados individualmente, pois podem levar o jogador a cair em reação circular, mas quando são coletivos (interativos), iniciando pelo sujeito com o computador chegando até a um grande grupo onde todos tem que seguir as regras impostas pelo jogo, torna-se um agente da socialização. O jogo, quando coletivo,leva o sujeito a desenvolver a cooperação, mesmo que o tema seja a guerra.

e) É interessante notar que esses jogos não se limitam aos meninos, pois são jogados também pelas meninas, o que é uma coisa diferenciada no contexto dos jogos tradicionais da humanidade, que eram sempre diferenciados em virtude do sexo do jogador.


Ou seja, fazemos às vezes mais para tornar nossos filhos violentos do que qualquer jogo faria, por mais horas que as crianças passem em frente às telas de seus computadores.


Beta

3 comentários:

Silvia Maria disse...

Adorei o artigo.
Compartilhei no facebook para que todos possam entender.
Beijocas.

pedagogo0 disse...

Adoro a inteligência que escanteia o senso comum. Parabéns, lindo artigo!

vendas Lu disse...

Gostei já vou compartilhar no face para que outros pais compreendam melhor bjo